O prazer da amamentação (ou não)

O prazer da amamentação (ou não)

Por muito que se leia sobre maternidade, há coisas que são mesmo difíceis de entender...e acreditem que é muito difícil de explicar também!

Nem sequer vos vou falar do parto...sou capaz de falar dele durante horas... Por isso vou já passar para a amamentação.

Não sei se já vos disse, mas enquanto estive grávida tentei baixar as expectativas ao máximo! Mentalizei-me que não me ia acontecer aquilo que acontece às "Anas Ritas Clara" e "Carolinas Patrocínio" destas vidas: sair da maternidade já magras e sem barriga, cheias de vitalidade e força, lindas e maravilhosas com ar de quem só foi lá fazer visita em vez de ter ido lá parir!

Eu pensava que ia engordar uns 20kg durante a gravidez, que ia ficar redonda e que se esses 20kg fossem ganhos em 9 meses, então ia demorar pelo menos 9 meses a perdê-los. Imaginei que a minha criança ia chorar dia e noite mas sempre com esperança que ela saísse à mãe e fosse calminha. Pensei que a recuperação pós parto ia ser extremamente dolorosa e imaginei mil e uma situações. Aconselho todas as mães a tentarem baixar as expectativas! Não estou a dizer para serem pessimistas...São coisas completamente diferentes! Pensem positivo mas não achem que vai ser um mar de rosas!

Sobre a amamentação: toda a gente dizia maravilhas dela! Só duas pessoas (uma delas foi a minha mãe) é que me alertaram e me disseram que doía...que doía muito e que havia situações mesmo complicadas de levar qualquer mulher às lágrimas! Não que eu tivesse duvidado disso, mas não me preocupei muito com isso. Tive o cuidado de comprar um creme que me tinham aconselhado (mas que não fez maravilhas quando mais precisei dele) e mais umas coisas "just in case". Todas me falaram da magia da amamentação, dos efeitos emocionais, de estabelecer uma relação única entre mãe e filho, dos sentimentos de ternura...Todas essas coisas que se resumiam a: "quando fores mãe vais perceber!"

Enquanto estive no hospital, aqueles dois primeiros dias da Matilde, também achei muito mágico, achei até piada! Como é que a catraia, acabada de nascer, mal sente a mamoca na boca começa logo a mamar, sem ser necessário insistir ou "explicar"? Lá foi tudo muito simples! Mamava de 3 em 3 horas ou menos, sem dificuldades, não me magoava e estava tudo tranquilo!

A partir do 3° dia é que as coisas pioraram e cheguei a não querer amamentar! Cheguei a achar tortura, só queria ela aguentasse
6 ou 7 horas para ver se ganhava tempo para recuperar! É que se fosse "só" aquela dor de amamentar...a questão é que havia TODAS (todas meeesmo) as complicações que podem haver durante a amamentação!

O que fazer?
Fechar os olhos, suster a respiração, cerrar os dentes até gastar todo o esmalte que ainda tiver e tentar aguentar as lágrimas! Se elas escorrerem pelo rosto, não há problema...elas secam rápido!

O que ajudou diretamente? (Atenção! Eu disse ajudou, não disse resultou/resolveu!)
Uma almofada de sementes aquecida no microondas
Banhos quentes (mesmo muito quentes)
Tirar leite com uma bomba elétrica
Creme para os mamilos (trizantil porque purelan não fez nada)
Spray para o nariz (syntocinon 5 minutos antes de amamentar)
E ainda um anti inflamatório (nimed)

Só não recorri ao antibiótico! Tentei tudo o que havia para experimentar! Recorri aos conselhos de outras mães, ao que se aprende nas aulas de preparação para o parto, ao google (bendito google) e até veio o médico a casa! O antibiótico era mesmo o último recurso/a última esperança! Ainda bem que não foi preciso!

O que ajudou indiretamente?
A poltrona de amamentação. Foi das coisas que não abri mão enquanto preparava o quarto da Matilde e foi o melhor investimento que podia ter feito! Sem dúvida que estarmos confortáveis é meio caminho andado.
Ambientadores Yankee Candle com aromas relaxantes
Ambiente acolhedor e relaxado. A decoração do quarto faz mesmo diferença. Eu optei por deixar o quarto todo branco com mobília branca e acrescentei alguns apontamentos coloridos. Luzes de presença e de baixa potência...
Posso dizer que fui um bocadinho egoísta, pois pensei muito em mim e no meu bem estar...afinal de contas é lá (cá...pois estou a atualizar o blog enquanto a cachopa arrota e adormece no meu colo) que passo muito dos meus dias e noites!
Acredito mesmo que o bem estar da mãe, tal como durante a gravidez, é imprescindível para uma criança tranquila, serena e feliz...ou pelo menos é menos um obstáculo à adaptação desta nova etapa!

Em relação à magia, ao prazer e aos sentimentos maravilhosos que se sente enquanto se amamenta... posso dizer -vos que "quando forem mães vão perceber"!


Next PostNewer Post Previous PostOlder Post Home